E o mimimi de fãs machistas de quadrinho?

XMen_BattleOfTheAtom_XMen_5_VariantDodson

Há mais ou menos 3 ou 4 anos começou uma grande mobilização nas redes sociais e nos encontros de quadrinhos aonde pessoas indignadas com a maneira que as mulheres e personagens de etnias contrárias ao padrão estabelecido (Heróis de aparência Ítalo-Americana, loiro, de olhos azuis) eram tratadas.

Em resultado a essa quantidade de protestos e debate as editoras tomaram atitudes interessantes. Além da criação de Super-Herois de outras etnias, como por exemplo o Lanterna Verde com descendência Árabe, houve também o aproveito para alterar a sexualidade de alguns personagens, como o Lanterna Verde clássico. Mais destaques para personagens femininas também estão presente, vamos só ver a revista própria da Batwoman, que além de Lésbica também ganhou um personagem trans em suas histórias, Brian Wood ganhou uma revista própria na qual escreve os X-men, mas o diferencial é que ela é protagonizada por mulheres, entre elas Jubileu, Vampira, Rachel Summers, Psylocke, Tempestade e Kitty Pride. São todas X-Womans marcantes junto com a Jean Grey. Brian Wood, conhecido pela autoria de Local e ZDM, não deve nada a ninguém e é um ótimo roteirista. A iniciativa da Marvel, de mostrar personagens femininas sem apelar para a sexualização (quem se lembra daquela edição especial quase erótica desenhada por Milo Manara?) é louvável. Dou toda a força e acompanharei a publicação, sem dúvidas. Mas ai começa o choruminho da molecada débil que não aceita a falta de um Ciclope musculoso ou um Wolverine rasgando tudo nas edições: Se não tem herói, não tem graça. A lenga lenga começou quando um leitor reaça da Internet comentou no tumblr do Brian Michael Bendis, principal mentor das ultimas sagas do universo Marvel, sobre a ultima saga dos X-men, Batalha do Átomo:

“Eu entendo que vocês têm tem que fazer os quadrinhos amigáveis para as meninas, mas vocês não estão preocupado em perder sua principal audiência, que é masculina? Nas publicações dos mutantes vocês tem focado mais em mulheres como Jean e Kitty, enquanto o Ciclope foi o astro dos gibis dos X-Men por anos. O que garante a estas personagens mais páginas do que a ele? Jean e Kitty são personagens secundários. Vocês ficam ouvindo muito os mimimis das mulheres. Elas estão causando todo esse drama no mundo dos quadrinhos”.

Na qual o escritor rebateu:

“Uau. Você é a primeira pessoa que eu fico aliviado por ter perguntado como anônimo, porque eu não quero te conhecer. Como um leitor do meu trabalho, eu quero que você me ouça com atenção: você tem grandes, grandes problemas. Quase todas as linhas da sua pergunta chega a uma incompleta incompreensão sobre você como homem e sobre as mulheres em geral. Tudo bem você se interessar mais em um personagem do que em outros. Quer dizer, tudo bem você gostar mais do Ciclope do que da Jean Grey, mas você sugerir que as personagens femininas não são interessantes porque você é homem ou porque você acredita que eu estou sendo manipulado por reclamações das mulheres é algo fora da realidade. E, como um leitor dos X-Men, que tem como filosofia a tolerância e o entendimento… Você perdeu o ponto”.

Em uma resposta muito lúcida e inteligente, Bendis disse um sermão para quem perguntou, de maneira sem dar exclusividade as mulheres ou aos homens, como deveria ser. Brian Bendis é um dos principais responsáveis por inserir na Marvel personagens femininas fortes, tais como sua passagem em Alias, aonde ele fez um de seus melhores trabalhos. E todas as personagens femininas coadjuvantes nas historias do Demolidor que escreveu, uma época que consegue ser tão boa quanto Alias. Também trouxe do ostracismo a segunda Mulher-Aranha, colocando-a direto nos Vingadores, além de criar a personagem Eco, que também é surda. Se existe alguém que tem feito historias justas com diálogos inteligentes nos quadrinhos, dando personalidades as mulheres, este cara é o Bendis.

Mas tudo bem, isto é noticia velha, eu sempre leio muitos sites sobre quadrinhos, desde sites bons, com textos coerentes até sites aonde tem este mesmo tipo de leitor, que adora fazer um mimimi babaca porque não tem ação em seus quadrinhos, como o execrável caixadegibis, um site homofóbico sobre quadrinhos ou os melhoresdomundo, site aonde todas as personagens femininas de quadrinhos que são citadas são seguidas de posts de cosplays destas personagens ou fotos das interpretes na vida real delas no cinema com pouca roupa ou nuas, sempre referindo as mesmas como “Bisca” ou “Biscate” junto com eles, veio um site, uma especie de cria feita pelos comentaristas do site, aonde também não deixa de faltar sexismo e homofobia. O Baile dos Enxutos, site aonde tem por principal atrativo ficar fazendo resenhas de quadrinhos que baixaram na Internet. Ao comentar a Batalha dos Átomos, dos X-men, mesma saga do leitor babaca e infantil que perguntou ao Bendis aonde andava o Ciclope, nosso querido revisor dos quadrinhos soltou a seguinte pérola:

02

Não entendi querido. O quadrinho é focado nas X-Woman, e o Brian Wood ta forçando a historia para inserir elas? Eu li a HQ. E não sei se no caso você conhece sagas da Marvel, mas é comum um quadrinho ligado a um evento mesmo assim inserir esses personagens no evento. Afinal, este quadrinho é sobre eles. Mas você não queria que o cara escrevesse sobre o Wolverine na sua revista focada nas mulheres, queria? Aparentemente sim. Na revista, é o padrão de roteiros do Brian Wood, que aliás, é um ótimo escritor. É legal ver que estes blogs da Internet que constantemente criticam as editoras americanas, tem atitudes infantis. Querido, as editoras estão em mudança, graças ao bom Odin, mas não adianta nada os leitores continuar tratando  as personagens femininas nos quadrinhos e nos jogos como “cota de Piranha”, como imagem abaixo tirada do mesmo site, que trata da personagem Shiva, uma das melhores lutadoras do Universo DC, fazendo papel de cota:

01

Eu nem ia divulgar o nome do blog, mas gosto de dar o nome ao que critico, mas algumas coisas tem de ser tratadas, se tratar as personagens desta maneira, nunca que quadrinhos ou jogos ganharão o reconhecimento merecido, de cultura. Vi outro dia o pessoal falando do vale cultura, que não iria atender video games. Eu acredito que assim como existe filmes de péssimo gosto, existe games de péssimo gosto, que sexualizam demais as personagens (Bayonetta oi?), o que faz a diferença é que o produto é vendido para um publico. Se o publico ter uma atitude ruim, os quadrinhos e os games vão continuar construindo material voltado para ele.

É triste ver a idade mental de algumas pessoas. O jeito é torcer para novas iniciativas das editoras nesta área, com boas historias, o resto, é choruminho.

Anúncios

Tags: , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: