A aldeia de Stepántchikovo e seus habitantes

 

Quem acompanha meu blog, sabe que um dos meus escritores favoritos é o Dostoiévski, alguns de meus textos favoritos foram sobre suas obras ou sobre a vida e comportamento do escritor. O último texto, por exemplo, era sobre uma briga épica da literatura mundial, protagonizada por Fiodor e Turgueniev, comparando o viralatismo de Turgueniev com o complexo de vira latas que muitos de nós brasileiros sentimos em relação ao nosso país. Você pode ler o texto aqui.

Um texto aonde linko todos os outros com criticas sobre os livros do autor pode ser encontrado aqui.

Fiz uma promessa no inicio do ano de comentar e criticar quadrinhos e livros que li, infelizmente, não consegui ler tanto quanto queria, quanto mais parar para escrever sobre estes livros e quadrinhos.

Ganhei a A aldeia de Stepántchikovo e seus habitantes tem algum tempo da minha esposa, porém além de demorar para começar a ler é complicado escrever sobre um livro do Dostoiévski, principalmente quando eu tenho o costume de sempre ler sobre o escritor e sobre suas obras, e o pior de tudo é quando tenho obras biográficas do autor, entre elas a rica biografia do Joseph Frank, que além de falar sobre a vida do Dostô, ainda aborda a politica da época  e critica os livros do autor. Para se ter uma ideia, apenas para explicar a discussão entre Turguêniev e Dostoiévski, o autor gastou dezenas e dezenas de páginas explicando os motivos, criticando livros do Turguê, comparando criticas de outros autores com as do próprio Dostô, além de traçar uma biografia deste rival do Dostoiévski.

Pois bem, primeiro, assim como quase todos os outros livros que escrevi sobre Dostô, a Aldeia (vamos abreviar aqui porque o nome é longo), nesta versão que eu li, é da Editora 34. A editora tem feito um ótimo trabalho em publicar textos russos de autores consagrados como este escritor que falo sobre, também sobre Tolstoi, Pushkin, Gogól, entre outros, assim como novos autores, por exemplo, da “Nova Antologia do conto Russo”, aonde traz diversos contos de autores consagrados na literatura Russa, como novos autores, até a data de 1998.

Todos os livros que li da editora 34 tem excelentes trabalhos de ilustradores e artistas plásticos, trabalhos com xilogravura ou até gravura, e no caso de A Aldeia não é diferente, todos que eu li, envolviam ilustrações de excelentes artistas brasileiros ou naturalizados no Brasil, alguns que fizeram o trabalho inspirado em passagens de livros do Dostô, ano passado ou retrasado, visitei na caixa cultural uma exposição de Oswaldo Goeldi, aonde estava exposto as séries de desenhos, gravuras, xilogravuras, etc, do autor, sobre livros do Dostoievski, para conferir as obras do mesmo, acesse aqui.

Nesta edição de a Aldeia, o ilustrador é um veterano, Darel Valença Lins, excelente artista nascido em 1924, confiram a página do Wikipedia dele aqui.

Gostei muito da tradução de Lucas Simone, que também organizou a edição da Nova Antologia do conto Russo, formado em história na USP, é professor da lingua Russa. Jovem, é um folego para os tradutores de livros Russos, tendo em vista que pelas outras edições da Editora 34, temos os excelentes e veteranos tradutores Paulo Bezerra (74 anos), e Boris Schnaiderman (97 anos), além de outros tradutores. Com toda certeza eu não teria começado a ler Dostoiévski sem a maneira brilhante em que eles conseguem expressar e traduzir as expressões e o estilo de narrativa deste autor, para se ter uma ideia, mesmo vários dos livros antigos, antes da Editora 34 começar a publicar autores Russos no mercado, traduziam textos Russos do Inglês, ou seja, era a tradução da tradução.

Enfim, finalmente li a Aldeia, e a primeira coisa que tenho de falar é: gostei muito do livro.

Escrito em 1859, é conhecido como um dos romances siberianos de Dostoiévski, porque foi concebido quando ele ainda era exilado na Sibéria, logo depois que saiu da prisão, para quem não sabe Dostô foi preso e além de ficar um tempo na cadeia depois foi obrigado a trabalhar para o exercito Russo, legalmente ele era proibido de voltar a Rússia, isso aconteceu depois de muito esforço que ele fez, como cartas para generais e para o próprio Czar da época. O fato é que ele foi impedido de escrever no tempo em que ficou preso, e quando viu que contemporâneos que foram presos pelo mesmo motivo estavam publicando textos em revistas e livros, decidiu voltar a ativa.

Pediu para seu irmão que estava na Rússia publicar um texto que ele escreveu quando ainda era preso politico antes de seu julgamento. Sem assinatura do autor, que temia ainda a censura e ser repreendido por escrever, além de ser espionado pela polícia Russa, o texto passou batido na sociedade. Quando publicou de seu primeiro livro, na juventude, Fiodor fez muito sucesso, e ele esperava o mesmo sucesso com o seu retorno literário, porém, as perspectivas eram outras, ele era jovem quando publicou seu primeiro romance, agora era casado, recebia um salário muito baixo, e precisava produzir algo as pressas, então é neste cenário que ele publica o Sonho do Tio, livro que teve uma reação muito inexpressiva na entre os leitores e no qual ninguém comentou. Porém assim ele finalmente recebia um salário digno, com isso trabalhou com maior calma e intensa dedicação, em meio a diversas crises de epilepsia conseguiu parir a Aldeia. E é engraçado que Dostô realmente tinha grandes perspectivas com esse romance, pois ele achava que seria levantado aos céus novamente como com o seu primeiro livr, porém Belinski, principal critico responsável por dar aquele hype no inicio de carreira do autor estava morto, e antes de morrer fez questão de anunciar que havia se enganado quanto o talento do escritor.

A Aldeia teve muita dificuldade para ser publicada, além de ter editores que enrolaram para decidir se iriam colocar em suas revistas ou não, um deles que havia dado um adiantamento para o escritor pediu o dinheiro de volta, pois não gostou do resultado, depois de alguns meses ele finalmente foi publicado em uma revista, e a critica foi muito forte quanto a história, pois além de criticar contemporâneos que eram excelentes escritores, além de satirizar Gogól na figura de Formá Formitch, ainda foi criticado por seus principais aliados, o setor progressista que tentava libertar os servos, para se ter uma ideia, Formá Formitch que era uma espécie de bufão (termo que pode ser comparado a bobo da corte), tentava ensinar no livro conceitos de literatura, astronomia e ciências aos servos. Da maneira que fica exposto, pode abrir uma margem de erro de interpretação ao setor mais progressista da sociedade Russa que Dostoievski estava satirizando a burrice dos Servos, quando estava mais para satirizar o tipo ridículo do intelectual na época, que vemos até nos dias de hoje, aonde tenta ensinar algo para pessoas que não tem o minimo interesse.

Enfim, apesar de não ser o narrador, Formá é o principal personagem do livro, isso pode não ficar muito exposto, mas a maneira que é criado o personagem, de forma brilhante, fez com que “Formá” se torna-se uma designação para bufão, bobo da corte, palhaço, entre outras, na Rússia e é utilizado até nos dias de hoje para designar esse tipo  de gente, mas para entender melhor, deixe-me explicar:

A primeira parte do livro, demasiada extensa, contém o narrador, sobrinho de um Coronel que é dono da Aldeia, contando que recebeu uma carta de seu tio, ele narra todo o drama psicológico de seu tio, da mãe de seu tio, do ex-marido de sua tia avó, contando basicamente que seu tio era um ser que não conseguia colocar a culpa nos outros, que era ignorante em temas de ciência e cultura, que qualquer um poderia facilmente subir nas costas dele. Quanto a sua tia-vó, logo de inicio é mostrado o desprezo que o narrador sente pela velha, e não é por exagero: casada com um General, que no inicio do livro já era falecido, a velha se muda para a casa do tio da narrador, levando todos seus animais, criadas, etc. Tirana, egoísta, exagerada, vê em Formá Formitch uma espécie de amor platônico, Formá, era criado do General, e sofria na mão do velho, como sofreu a vida toda. Acadêmico e culto, além de ter publicado textos, nunca conseguiu dinheiro por não ter origem nobre, acaba se tornando uma espécie de monge para a Generala quando o velho morre. Fazia previsões do futuro, dava verdadeiros exemplos de sua cultura, entre outros, consegue se instalar na casa do Coronel de maneira na qual, acaba subindo nas costas dele.

Nesta carta o narrador descobre o desespero de seu tio, que está tentando ludibriar que seu sobrinho se case com a governanta de sua casa, o sobrinho detecta que tem algo de estranho no texto e no caminho para a Aldeia, conforme se encontra com pessoas que vinham de lá, aos poucos vai descobrindo as histórias de Formá.

O livro se torna muito interessante e encantador quando o narrador chega na Aldeia e se depara com as figuras pitorescas. Vale observar que nas quase 400 páginas, Dostoiévski construiu personagens dinâmicos, únicos até então na literatura. E fica evidente sua qualidade na narrativa quando consegue desenvolver em um curto espaço de tempo todas as ações e toda a humanidade de seus personagens, e essa característica é inegável pois estará em outros de seus maiores romances.

Quanto as criticas que ele recebeu, vale observar que ele estava fora do cenário social da Rússia, ele apareceu com um livro cômico quando a Rússia estava lidando com questões séries como a liberação dos servos, mesmo com o livro considerado uma comédia, dá para perceber nos diálogos e nas histórias dos personagens um pouco do sufoco que o autor passava, além das crises epiléticas e da depressão profunda que ele sofria. Não foi bem recebido pela critica, principalmente porque alguns dos escritores e donos de publicações da época foram parodiados no livro.

Enfim, desta vez não tive aquela sensação que descrevi antes, que a cada livro deste autor que leio tenho a impressão de ser o melhor livro que li na vida, mas recomendo a todos que querem conhecer os dois lados do autor (antes de ser preso, e depois de ser preso), e acompanhar com leituras como Pobre Gente e O Idiota, e perceber como prisões, crises de epilepsia, mortes de entes queridos, dívidas excessivas, podem ajudar a moldar um dos maiores escritores de todos os tempos.

Anúncios

Tags: , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: